Blotto (1930): suas versões e os cortes da censura

Oliver Hardy e Stan Laurel em cena de Blotto (1930)

A Sra. Laurel está sentada jogando paciência, enquanto seu marido, vestido com uma jaqueta de smoking, aprecia seu longo cachimbo do tipo Sherlock Holmes. Ele anda para lá e para cá, impaciente, olhando para o relógio, e ameaça por algumas vezes a falar alguma coisa… mas desiste demonstrando certo receio. A Sra. Laurel, perdendo a paciência (desculpem o trocadilho com o jogo de cartas), grita com Stan e pede explicações sobre ele não parar quieto no lugar. Ele diz que gostaria de sair… ela pergunta o que ele quer fazer. Ele diz apenas que gostaria de tomar um pouco de ar fresco. Ela então se levanta e diz “Ora, por que não me disse isso antes?” E liga o ventilador, que sopra um vento forte na direção de Stan. Decepcionado, ele ainda ouve a sentença da esposa: “Tem que ser algo muito importante para que você saia”.

Essa sequência do ventilador foi cortada na versão editada de 1937, assim como outras cenas que citarei adiante. Continuando (e sim, é sinopse com spoiler, então vai assistir e depois volte para ver o porquê das cenas terem sido cortadas)… Stan então se senta e tenta ler um jornal, mas ele está em hebraico. Oliver telefona para Stan, que leva um baita susto quando o telefone toca bem ao seu lado (o número que Hardy pede para a telefonista era realmente o número da casa de Stan Laurel na vida real: OXford-0614). Depois de algumas tentativas e confusões para comunicar-se com Stan, Oliver questiona o fato do amigo ainda não ter ido encontrá-lo. Mas antes disso, a Sra. Laurel, depois de conversar com Oliver por um instante (ela queria saber quem era ao telefone), diz a Stan que ia deixá-los conversando e iria para a cozinha. No entanto, desconfiada, ela vai para o quarto e escuta a conversa dos dois (este é o único filme da dupla em que Oliver está solteiro e Stan é casado).

O curta foi feito na época da Lei Seca, bebidas alcoólicas estavam proibidas no Estados Unidos. Oliver queria ir à inauguração de um clube, mas queria levar algo escondido para beber. Stan diz que a sua esposa guarda uma garrafa e que ele poderia roubá-la. Oliver dá a ideia para que Stan escreva um telegrama para ele mesmo, dizendo que ele está sendo chamado para um assunto muito importante. A Sra. Laurel, que escutou tudo, inclusive o local para onde eles iriam, volta para a cozinha, pega a garrafa e joga seu conteúdo todo fora, substituindo-o por uma mistura de chá e pimenta.

Sra. Laurel (Anita Garvin) trocando o conteúdo da garrafa. Copyright Hal Roach Studios / MGM

Resumindo, a partir dai as confusões de Stan e Ollie dentro do clube correm soltas, com eles ficando “bêbados psicologicamente”, já que não haviam ingerido álcool, até que a Sra. Laurel, que tinha passado em uma loja de armas no caminho, chega no clube com uma espingarda de cano duplo e senta atrás dos dois, observando-os.

 

AS TRÊS VERSÕES PRODUZIDAS

Blotto foi produzido pelo estúdio de Hal Roach e distribuído pela Metro-Goldwyn-Mayer (MGM). Direção de James Parrot, roteiro de Leo McCarey e diálogos de H.M. Walker. No elenco de apoio: Baldwin Cooke, Jean De Briac, Dick Gilbert, Vladimir Gueteron, Charlie Hall, Jack Hill, Frank Holliday e Tiny Sandford.

No início da era falada do cinema, a dublagem para outros idiomas ainda não era muito comum, e por isso foram produzidas três versões para atingir o público de língua inglesa, francesa e espanhola. Eles realmente filmaram as versões, faladas em inglês, francês e espanhol. Podemos notar o sotaque de Stan e Ollie a todo momento na versão espanhola. Suas falas eram lidas em cartões escritos foneticamente, ou seja, eles liam as palavras conforme a pronúncia.

No caso da Sra. Laurel, houve uma troca de atrizes. A versão em inglês (Blotto), trouxe no papel de esposa de Stan, a atriz Anita Garvin (1906-1994); a Sra. Laurel na versão francesa (Une nuit extravagante) foi interpretada por Georgette Rhodes (1900-1990), enquanto que em espanhol (La vida nocturna) o papel ficou com Linda Loredo (1907-1931).

A versão francesa foi dada como perdida até pouco tempo. Uma cópia foi encontrada no Arquivo Nacional Theco, em Praga, e estava sendo cuidadosamente recuperada. No Youtube, e em outras fontes, existem vídeos erroneamente creditados como sendo a versão francesa Une nuit extravagante, no entanto, não se trata deste curta e sim de outro filme da dupla.

Já a versão espanhola é facilmente encontrada, inclusive recomendo que a assistam também, pois, não possui cortes (os vídeos estão no final do artigo).

Stan Laurel e suas “três esposas”: (da esquerda para a direita) Anita Garvin, Linda Loredo e Georgette Rhodes. Copyright: Hal Roach Studios/ MGM.

A CENSURA

A partir de julho de 1934 entrou em vigor um novo código de ética imposto pelos Produtores e Distribuidores de Filmes da América. Para citar um princípio geral, por exemplo, o código ditou que nenhum filme poderia ser produzido se o seu enredo instigasse a prática de crimes e/ou o pecado. Se a proibição de bebidas alcoólicas não tivesse sido revogada em 1933, a nova edição de Blotto  (editada em 1937) teria sido inviabilizada. Mas ainda assim ela sofreu cortes de cenas, como as cenas que envolvem as dançarinas: apenas uma, a mais vestida, ficou na versão editada. Há mais cenas em que Stan e Ollie, que acham que estão bêbados, embora tenham tomado uma mistura sem álcool, e demonstram estar ainda mais alegrinhos e soluçando o tempo todo. De acordo com o Código de Produção de Filmes, “O uso de bebidas alcoólicas nunca deve ser excessivamente apresentado. Em cenas da vida americana, só as necessidades de enredo e caracterização própria justificam seu uso. E, neste caso, seu uso deve ser mostrado com moderação.”

A dançarina censurada. Copyright Hal Roach Studios/ MGM

Foram feitos outros cortes de cena, mas por outro motivo. As casas de exibição estavam em uma luta particular com os produtores, alegando que o público estava cansado de curtas e que deveriam ser exibidos mais longas. Briga daqui, briga dali… as produtoras tentavam editar vários curtas para montarem exibições mais longas, até que pudessem investir em novas e maiores produções. E nesse junta junta de curtas, algumas cenas eram cortadas para que as compilações não ficassem longas demais. Por exemplo, tem uma cena em que Oliver troca a sua cadeira, que está molhada, por outra que estava em uma mesa reservada para um casal, que chega logo em seguida. A dama senta e se molha. Quando percebe, se levanta e sai. O seu acompanhante vê seu traseiro todo molhado e acha estranho. Na edição de 1937 ela não aparece.

Por isso, indico que assistam também a versão em espanhol. Ela não foi afetada pela censura e nem pelos cortes para a compilação de 1937. A versão original, em inglês, de 1930, é dada como perdida.

 

TROCA DA TRILHA SONORA

A principal alteração editorial na atualização de Blotto em 1937, foi a troca da trilha sonora para algo mais contemporâneo. Além de considerarem na época que as músicas de 1930 já estavam “velhas”, usaram o recurso também para suprimir os ruídos causados pelos “antigos” equipamentos. Uma nova música de fundo foi devidamente mixada (na época usaram os termos misturada ou redublada). Mas a trilha original pode ser ouvida na versão em espanhol.

 

NO BRASIL…

No Brasil, o curta teve três títulos: Dois boêmios do barulho (para a TV, sendo o mais comum de ser encontrado), Noites de farra; e Cantando na chuva. A dublagem ficou a cargo da AIC São Paulo, com José Soares dublando Oliver Hardy, e Waldir Guedes dublando Stan Laurel.

 

AS VERSÕES EM VÍDEO

Abaixo a versão dublada, baseada na original com cortes (a original em inglês, sem cortes, é dada como perdida), e a versão em espanhol, completa, sem cortes (com cerca de 11 minutos a mais). Existem versões colorizadas por computador, fácil de encontrar no Youtube. Eu prefiro em preto e branco.

 


 

SUGESTÕES

LIVRO Hardy e Laurel. O Gordo e o Magro, de Israel Foguel.

Os dois comediantes trabalharam juntos pela primeira vez no filme mudo The Lucky Dog (1917). Após um período aparecendo separadamente em vários curtas-metragens no Hal Roach Studios durante a década de 1920, eles começaram a atuar juntos em 1926. Laurel e Hardy tornaram-se oficialmente uma dupla no ano seguinte, e logo se tornaram as estrelas mais lucrativas de Hal Roach. Entre seus filmes mais populares e bem sucedidos estão os longas-metragens Filhos do Deserto (1933), Dois Caipiras Ladinos (1937) e a Ceia dos Veteranos (1938) e os curtas Negócio de Arromba (1929), Liberdade e Seus Perigos (1929) e Caixa de Música (1932), este último vencedor do Oscar de Melhor Curta-Metragem (Comédia). A dupla deixou o Hal Roach Studios em 1940, e apareceram em oito comédias “B” da 20th Century Fox e Metro-Goldwyn-Mayer de 1941 até 1944. Fatos, fotos e curiosidades sobre esta sensacional dupla você conhecerá através deste livro. Uma viagem completa pela carreira e filmografia de o Gordo e o Magro. Clique aqui para comprar!


DVD O GORDO E O MAGRO (3 DVDs)

Dvd 1 Esta é minha esposa/ Elefantes voadores/ Botando as Calças Em Philip

DVD 2 Concerto de buzinas/ O jeito de todas as Calças/ Duplo ôpa

DVD 3 Cedo para dormir/ Amor de lã/ Doce papai

Áudio: 2.0 Dolby Digital inglês.

Clique aqui para comprar!


 

APARADOR DE LIVROS

Aparador de livros feito em resina.

DIMENSÕES:
Gordo: 20 x 13 x 22cm (Comprimento x Largura x Altura)
Magro: 18,5 x 13 x 22cm (Comprimento x Largura x Altura)

Clique aqui para comprar!


FIGURAS DE STAN E OLIVER

Peso:  1 kg
Altura: 18 cm
Largura: 6.5 cm
Comprimento: 8 cm

Clique aqui para comprar!


 

 


QUER AJUDAR O CANAL CHUVISCO?

Comprando qualquer produto com esse link, você está ajudando o CANAL CHUVISCO a se manter. Com as comissões recebidas, podemos dedicar mais tempo para as pesquisas e postagens. É só clicar, fazer sua busca pelo produto que deseja e realizar sua compra normalmente.


Compartilhe o artigo com seus amigos!
Compartilhe o artigo com seus amigos!